Publicidade

Palestra discute o papel do líder na gestão de carreira dos seus colaboradores

De Redação InfoJobs

Palestra discute o papel do líder na gestão de carreira dos seus colaboradores

Comunicar o valor e potencial das pessoas com clareza para que elas possam enxergar a si mesmas. Esse é o papel do líder na gestão de carreira dos seus colaboradores, tema da palestra ministrada pelo Coach, Consultor e autor do livro “O ELO da Gestão de Carreira”, Cláudio Queiroz. O evento, resultado da parceria entre o o InfoJobs e a editora Fênix, foi realizado nesta segunda-feira (11) e reuniu cerca de 40 profissionais da área de Recursos Humanos na sede da ABTD, onde receberam orientações de como agir para ser mais que líderes, uma figura de transição no processo de desenvolvimento de pessoas. Mas o que isso significa?

Segundo explicações do especialista durante a palestra, figuras de transição são pessoas que ensinam uma nova forma de olhar para o mundo, que motivam profissionais a serem melhores e auxiliam na construção de carreiras. “A melhor coisa que você pode fazer da sua vida hoje é ter contato com figuras de transição, elas são pessoas capazes de acender a nossa luz de esperança, a coisa mais extraordinária que alguém pode fazer”, afirma.

Cláudio também justificou que, atualmente, empregados não pedem demissão das empresas, mas sim dos chefes e alertou que o índice de credibilidade das gestões está diminuindo. “As empresas que estão investindo no desenvolvimento de liderança tem grandes chances de mudar essa situação, mas ainda tem muito trabalho a ser feito pelos profissionais de RH”.

De acordo com o palestrante, para ser um aliado na gestão de carreira de um colaborador, o líder tem que elaborar uma série de deveres, tais como: promover seu reconhecimento, fornecer um feedback justo durante a avaliação de desempenho, potencializar seu network, entre outros. Só assim, ele será uma figura de transição na vida desta pessoa. Outro fator que contribui com o indivíduo nesse desenvolvimento é fazer parte de uma organização com políticas de recursos humanos, de valorização de pessoas e de retenção de talentos.

“Se integrarmos em uma mesma empresa a identificação das responsabilidades e dos direitos doEmpregado, da Liderança e da Organização criamos um ELO para a gestão de carreira e uma nova estratégia empresarial. O mundo está mudando em todas as dimensões e precisamos sentar e pensar no que ganhamos todos juntos quando cada um faz a sua parte”, concluiu Queiroz.

Publicidade
Publicidade